quarta-feira, 17 de junho de 2009

AINDA A QUESTÃO DA JOVEM MÃE EM GREVE DE FOME

Notícia no sapo
Mãe de Martim "emocionada" e "muito feliz" com apoio do director do Refúgio Aboim Ascensão
A mãe adolescente de uma criança que a Justiça decidiu dar para adopção mostrou-se hoje "emocionada" e "muito feliz" com o apoio do director do Refúgio Aboim Ascensão, que defende que o caso deve ser reavaliado.
Ana Rita Leonardo, de 15 anos, disse à Agência Lusa que "agora reacendeu-se" a sua "esperança", agradecendo "produndamente" ao director da instituição onde se encontra o pequeno Martim, Luís Villas Boas, pelo apoio agora demonstrado.
"Agora está nas mãos da juíza e só espero que o Tribunal de Cascais seja compreensivo, que finalmente se sensibilize com o meu caso e, principalmente, que seja rápido", sublinhou.

5 comentários:

aurea disse...

Esse Senhor Luis Villas Boas, não costuma ter "papas na língua", já várias vezes deu provas disso. Na minha opinião é um "Grande Senhor" e muito justo.
Obrigada Leonor, por nos dares conhecimento desses casos, que nem sempre são lidos, ou ouvidos por todos!bjo

Leonor Lourenço disse...

Beijinho Aurea.

Carlos Pires disse...

Se analisarmos de modo detalhado e profundo (coisa que os Tribunais e as Comissões disto e daquilo nem sempre fazem, por falta de tempo e por vezes talvez por desplicência - e não pensando agora se os critérios de análise que usam são objectivos e rigorosos ou ideológicos e dependentes de modas), 20 ou 30 desses casos descobriremos situações em que a entrega aos progenitores foi uma péssima decisão e casos em que a entrega a uma famíla de adopção foi uma decisão péssima ou pelo menos discutível e pouco injustificável.
A comunicação social, os blogues e outros meios vão-nos dando "conhecimento desses casos",como disse a Leonor. Mas será realmente conhecimento? O modo emocional e "comprometido" como são apresentados permitir-nos-ão perceber o que realmente se passa com as crianças?
Essa abordagem da comunicação social por vezes não condicionará indevidamente os juízes e membros da ditas Comissões?

Carlos Pires disse...

"conhecimento desses casos",como disse a Leonor - ou melhor, a Aurea

Leonor Lourenço disse...

Obrigada pelos seus comentários e pela sua visita a este meu espaço.

Tem toda a razão ao questionar-se sobre a certeza que tenha da realidade sobre a qual emito opinião. Não tenho.
Respondendo às suas duas mensagens em simultâneo: tenho muito poucas coisas como certas, mas uma das coisas que tenho como certa é a da verdade das minhas opiniões, emitida de acordo com os elementos que tenho no momento que as emito, passado o crivo de um juízo de valor que me permite afastar o que não me parecer verídico, plausível ou me pareça distorcido. Não é nisto que consistem as opiniões? :)
Quanto ao valor do humanismo, reitero a minha convicção: deve ser ele a iluminar todas as decisões que não sejam eminentemente técnicas. E os sentimentos, o apoio, a educação, o interesse superior de uma criança não se encaixa nesta última categoria. :)

Mais uma vez obrigada por ter comentado uma minha mensagem.
É do confronto de ideias que, dizem, nasce a luz! :)
Cumprimentos
Leonor